GESTÃO NÃO TEM TAMANHO: TEM PRINCÍPIOS

Quando mencionamos exemplos e estratégias de empresas bem sucedidas como Coca Cola, Nestlé, Microsoft, Disney, Natura, Gerdau é comum ouvir… “ah! Mas isso é para grandes empresas, não se aplica a nós, pequenas e médias”… Analogamente, ao trazer para a mesa casos e causas de grandes derrrocadas como Varig, Lehman Brothers, GM, Mesbla, Kodak, a ilusória válvula de escape tende a ser… “o caso deles foi diferente do nosso que somos muito menores”…. Após quase 5 décadas de avaliação e diagnóstico de centenas de empresas de todos os tipos, setores, dimensões, estágios de sofisticação gerencial e situação econômico-financeira, enxergo uma constância de presença dos seguintes fatores de sucesso e de sua ausência nos fracassos:

1 – Objetivo claro e definido è sua ausência impede traçar caminhos

2 – Estratégia para atingir esse objetivo e pessoas capazes de estabelecê-la è onde, sem como, é efêmero

3 – Estrutura de capital compatível com o negócio è nada se sustenta apenas com ideias e boa vontade

4 – Pessoas com capacidade para executar as ações da estratégia è iniciativa sem entrega é inócua

5 – Sistema de registro e controle dos atos e fatos è sem ele se desconhece situação e performance e qualquer voo cego um dia acaba em tragédia

6 – Periódica revisão estratégica à luz das mudanças e dinâmica do mundo è só o futuro existe e será diferente do passado

7 – Afinidade e harmonia societária è a física já nos ensina que a resultante de forças iguais e de sentido contrário é a inércia, o que nos negócios é a morte

8 – Gestão do processo sucessório de pessoas e de capital è porque pessoas morrem e capital troca de mãos

9 – Acompanhamento, verificação e auditoria dos atos e fatos è nem tudo o que parece é

10 – Consciência de que só o mercado / vendas nos sustentam è saber que necessidade suprimos ou problema resolvemos para os clientes

11 – Sermos melhores / diferentes de nosso concorrente è por que clientes gastam conosco?

12 – Consciência de que tudo acaba em dinheiro è sobrevivemos ou morremos pelo caixa que está no fim da jornada.

O conjunto demonstra a complexidade, sofisticação e riscos do moderno mundo empresarial, onde a intuição ainda é válida, mas o amadorismo não. Hoje, alguém pode até ter 100% do capital, mas ninguém, sozinho, tem 100% da capacidade nem do conhecimento. Daí a importância dos princípios e boas práticas de Governança Corporativa – transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa.

Nomes famosos ou histórias e exemplos que desfilam nos noticiários de nosso bairro, nos mostram que nada disso tem a ver com porte de empresas: multinacionais ou a padaria da esquina sobrevivem ou desaparecem pelas mesmas razões, que são a adesão ou não aos princípios de gestão e governança. E estes, no fundo, se submetem aos inexoráveis e internacionais princípios financeiros: dinheiro custa; por isso, requer eficiência, ou seja, exige resultado maior que o seu custo; não distingue nacionalidade, raça, religião, idade ou tradição. Para todos os nossos atos de gestão, um dia a fatura chega e aí será a hora da verdade, pois, como já diziam nossos avós, dinheiro não admite desaforo!

TELMO SCHOELER

28/6/2012

Leave a comment

0 Comments.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.